Indicado pelo antigo treinador do Guarani, Allan Aal, o zagueiro Thales foi paciente na espera por uma oportunidade no Brinco de Ouro. Foram sete rodadas no banco de reservas até a primeira chance no confronto diante do Santo André, válido pela 8ª rodada do Paulistão, em abril.

O bom momento do atleta de 28 anos, entretanto, foi consolidado apenas na Série B do Campeonato Brasileiro.

Thales virou homem de confiança de Daniel Paulista e peça incontestável na boa campanha da equipe na competição.

Com o camisa 3 em campo, o Bugre venceu 12 jogos de 27 disputados, além de 7 empates e 8 derrotas. Aproveitamento de 53% e 29 gols sofridos (média de 1.07). Sem Thales foram 11 jogos, 39% de aproveitamento e 14 gols sofridos (média de 1,27).

O próximo compromisso será um desafio e tanto para o zagueiro: anular o goleador Léo Gamalho, protagonista da campanha do Coritiba, líder da Série B.

“Eles são os líderes do campeonato e naturalmente também querem a vitória para conseguir o acesso e o título. Mas nós também temos uma equipe forte, técnica e com garra que possui condição de vencê-los. Não existe favoritismo no futebol e muito menos na Série B. Além da técnica, a garra também entra em campo. Vamos a Curitiba com o objetivo de conquistar os três pontos assim como fizemos na terça-feira”, explicou Thales.

No segundo turno, o técnico Daniel Paulista trabalhou o lado defensivo e a questão disciplinar do Guarani. A equipe sofreu 5 gols nos últimos 10 jogos. No primeiro turno o time foi advertido com 58 amarelos em 19 jogos. Já no segundo turno são 6 cartões em 9 partidas. A média caiu pela metade e a comissão técnica pode dar sequência ao time titular. São cinco jogos de invencibilidade na competição.

“Para a sequência da Série B é muito importante. Times que brigam pela parte de cima da tabela e pelo acesso precisam ter essa sequência e é isso que buscamos. Foi uma vitória convincente e que mostra que não viemos para brincadeira. Manteremos esse espírito em todos os jogos pois cada partida é uma final e todas valem os mesmos três pontos”, completou Thales.

De acordo com Wyscout, Thales tem média de 3,6 interceptações e 9 recuperações de bola por jogo. O defensor venceu 61% dos duelos defensivos pelo chão e 64% das divididas pelo alto. Dois números chamaram atenção na partida recentemente contra o Vila Nova: 100% de êxito nos duelos defensivos e nenhuma falta no jogo (também passou ileso contra Confiança e Sampaio Corrêa).

Foto de Thomaz Marostegan/Guarani FC

Comente com seu Facebook