STJD aceita pedido e libera Majestoso para Ponte Preta e Fortaleza

0

A Ponte Preta conseguiu mais uma vitória no STJD. O Pleno aceitou o pedido do Departamento Jurídico e liberou para que o Estádio Moisés Lucarelli recebesse a partida entre Ponte Preta e Fortaleza neste domingo, às 18h, em Campinas. As vendas dos ingressos foram retomadas.

O recurso ainda segue no Tribunal.

De acordo com o advogado do clube, Dr. João Felipe Artioli, em entrevista à rádio Bandeirantes, o STJD ainda vai definir quais os dois jogos que a Ponte Preta cumprirá a punição de jogar a 100km de Campinas.

“Em outras palavras, o STJD ainda terá que oficializar a decisão formalmente à Diretoria de Competições para que eles nos comuniquem e as partidas atingidas serão aquelas a serem realizadas no prazo determinado pela legislação e regulamentos aplicáveis. Após a comunicação inicial, já tem que ser definido o estádio, em respeito aos clubes que terão que ter suas logísticas acertadas e ao torcedor que terá que se planejar e aos profissionais que irão trabalhar nos jogos. Ou seja, o jogo de domingo irá ocorrer normalmente no Majestoso e aguardaremos as deliberações do Departamento de Competições da CBF sobre a situação futura”, explica o advogado pontepretano João Felipe Artioli.

Portanto, caberá ao Departamento de Competições da CBF designar as datas do cumprimento da pena pela Ponte Preta e isso deverá ser feito respeitando todos os prazos previstos em lei e regulamentos, para não haver prejuízos. Artioli acrescenta, porém, que a princípio a Ponte manteve o recurso impetrado hoje no STJD pedindo reversão da sentença, por entender que ela foi injusta, bem como a solicitação de efeito suspensivo da pena até a decisão final.

“Em nosso entender a Ponte não pode ser responsabilizada por uma ação que partiu de fora do estádio durante uma partida sem torcida. O clube não poderia estar vigiando as ruas do entorno para impedir vandalismos ou identificar vândalos, uma vez que não tem poder de polícia nem mesmo dentro do estádio, onde esta tarefa também é executada pela Polícia Militar.”