O técnico Allan Aal ainda não sabe se será o escolhido pelo departamento de futebol do Guarani para iniciar a Série B do Campeonato Brasileiro.

Uma nova reunião com os dirigentes está prevista para o começo destas emana para definição da continuidade do trabalho da atual comissão técnica ou se um novo projeto será iniciado.

Aal foi contratado no começo da temporada para ser o comandante do Bugre no Paulistão – onde a equipe chegou na fase de quartas de final depois de nove anos -, além da Série B.

O contrato do profissional vai até novembro.

Mas os últimos jogos alertaram para um debate dentro do Brinco de Ouro sobre a filosofia de Allan Aal. Com o novo limite da CBF para trocas no comando técnico durante a competição, o Conselho de Administração quer convicção para não gastar uma troca.

Em entrevista ao Pressfut, o treinador bugrino falou sobre a nova regra e afirmou que trocas no comando técnico são muitas vezes passionais e não geram efeitos imediatos.

“Eu acho até certo ponto positivo e vejo como uma tentativa de melhoria para amenizar essa loucura de trocas de treinadores que existe no Brasil, porém, como toda nova regra, só veremos se vai funcionar ou não na prática. Mas o que me deixa mais indignado, é que precisamos de uma regra para se normalizar o óbvio, que é o mínimo de tempo e sequência de trabalho necessário em qualquer empreendimento/profissão, e mais ainda no futebol, onde o treinador tem que implementar ideias de jogo na cabeça de 30, 35 atletas num ambiente de paixão de torcedores e pressão por resultados imediatos, e que também já foi comprovado com dados, que as trocas de treinadores geram pouco efeito na melhoria dos resultados. Eu seria mais a favor ainda de uma regra que não se limitasse o número de treinadores, mas sim que fosse obrigado a se pagar e cumprir, antes de qualquer troca, todos os direitos trabalhistas e financeiros para uma próxima contratação de um novo treinador. Acredito que daí sim diminuiríamos e os clubes passariam a analisar as trocas com mais profissionalismo e menos emoção”, comentou.

O grupo de jogadores do Guarani se reapresenta nesta terça-feira após folga de três dias concedida pelo departamento de futebol. Muitos atletas que estão em reta final de contrato serão liberados como provavelmente os casos de Romércio e Éder Sciola.

confira a matéria completa no futpress com allan aal clicando aqui

Foto de Thomaz Marostegan/Guarani FC

Comente com seu Facebook