O técnico Gilson Kleina concedeu entrevista após o empate sem gols da Ponte Preta contra o Vila Nova, em Goiânia, na nona rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

O gramado do Estádio Oba foi um dos pontos mencionados pelo treinador pontepretano durante a coletiva.

“O gramado dificultou muito para jogadores técnicos. A bola ficou muito viva e isso criou um pouco de dificuldade durante a partida. Não concordo que nossa estratégia tenha sido apenas o contra-ataque. Tentamos dosar nosso ritmo também pela questão física”, explicou.

Kleina não descartou o empate como um bom resultado após a vitória contra o CSA na última rodada, mas ressaltou que só haverá valorização do ponto somado fora de casa em caso de vitória na terça-feira, no Moisés Lucarelli, diante do Avaí.

“A gente não pode achar que o empate é bom. Mas precisamos avaliar que nas últimas duas rodadas ganhamos quatro pontos de seis. Claro que esse resultado será ainda mais valorizado se a gente conseguir o nosso resultado dentro de casa na próxima rodada. A gente está buscando uma sequência de resultados positivos e ainda estamos em construção com uma equipe que está se conhecendo”, completou.

Sobre a substituição de Camilo ainda no intervalo, Kleina admitiu que foi um pedido do próprio meia da Macaca. O camisa 10 sentiu um desconforto no joelho e relatou para comissão técnica antes de ser substituído por Thalles.

“O Camilo sentiu uma pontada no joelho, nos procurou no intervalo e colocamos o Thalles a partir do intervalo. Ele relatou que sentiu o joelho um pouco pesado e sentimos que seria um momento de preservá-lo até porque temos confiança no momento do Thalles”, encerrou.

Foto de Diego Almeida/Pontepress

Comente com seu Facebook