O Conselho de Administração se pronunciou na última segunda-feira, via departamento de comunicação, sobre a situação da folha salarial do Guarani.

De acordo com os dirigentes os compromissos seguem em dia e os pagamentos sendo honrados com o grupo de jogadores e funcionários.

A diretoria bugrino, no entanto, silenciou sobre a exposição que os jogadores sofreram na partida contra o CSA no último sábado. O time alagoano perdeu oito jogadores que testaram positivo após a final do estadual.

Diferente da partida entre São Paulo e Goiás na Série A, adiado pelo STJD pelo risco de contato e exposição com outros atletas, o jogo do Bugre foi realizado.

O clube anunciou que realizou testes na segunda-feira e todos negativaram. No entanto, segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia, o exame dos jogadores do Guarani não deveriam ser colhidos nem domingo nem segunda.

Em nota à reportagem foi explicado que o RT-PCR deve ser feito entre o terceiro e quinto dia por ser o período de pico da replicação viral. Já os testes sorológicos e rápidos devem ser feitos mais tarde para detectar a presença dos anticorpos criados pelo organismo para se defender.

Em entrevista ao portal Só Dérbi, a infectologista da Unicamp, Raquel Stuchhi, recomendou o adiamento da partida contra o Cruzeiro pelo alto risco de exposição e pouca efetividade nos exames realizados.

A partida entre CSA e Chapecoense também está sob avaliação da CBF.

Foto: André Albuquerque / Guarani FC

Comente com seu Facebook