Cria da base da Ponte Preta e presente entre os profissionais desde 2017, Felipe Saraiva tem o futuro incerto no Moisés Lucarelli. Com contrato até junho deste ano, o atacante acompanha um impasse entre dirigentes da Macaca com seus representantes sobre uma clausula de renovação automática no contrato.

Saraiva foi emprestado no ano passado para o Botafogo de Ribeirão Preto. Após o repasse do atacante, a diretoria pontepretana impôs uma clausula de renovação automática no vínculo que termina no dia 22 do mês que vem, mas na visão dos empresários Saraiva ficaria livre para reforçar outra equipe.

Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o executivo Gustavo Bueno comentou sobre a situação envolvendo o jogador. “A gente conta com o Saraiva. O Saraiva faz parte do nosso planejamento. A gente vê essa possibilidade com clareza através do departamento jurídico de que o contrato dele termina agora em julho, mas essa prorrogação automática nos dá garantia por mais um ano. Já fui informado pelos representantes do atleta da decisão deles. Eles têm uma visão diferente em relação do contrato e isso vai ser discutido na esfera jurídica, mas deixo claro que a Ponte Preta não vai abrir mão e conta com o atleta e será peça importante no longo do ano”.

O empresário do atleta, André Cury, não respondeu as mensagens da reportagem para comentar a situação, mas pessoas ligadas ao estafe e o atleta afirmam que existe a possibilidade da permanência de Saraiva no Majestoso.

Durante os treinamentos via internet, Saraiva tem realizado os trabalhos junto com o restante do elenco. Em 2020, o atacante foi utilizado em nove jogos e não marcou nenhum gol.

Reportagem de Antonio Luppi | Foto de Fábio Leoni (Pontepress)

Comente com seu Facebook