Em campo, árbitros e jogadores do Guarani trocam funções e vivem experiências diferentes

0

O hotel Oscar Inn em Águas de Lindóia recebeu o último treinamento de árbitros da CBF antes da disputa do Brasileirão 2019. Ao longo dos últimos 30 dias, os 96 árbitros foram divididos em 3 turmas de 32 e, cada grupo, realizou o curso de Capacitação para árbitro de vídeo. Ao longo do treinamento, foram 2 dias de aulas teóricas e outros 8 dias de prática.

ESPEL ELEVADORES

De acordo com a coordenadora de instrução da CBF, a ex-assistente Ana Paula Oliveira, a implantação do VAR é algo fundamental para o futebol brasileiro. “O VAR surgiu para fazer justiça, você profissionais na cabine que dão ao árbitro o direito a uma segunda chance.” Oliveira também afirmou que a principal crítica ao árbitro de vídeo, referente à demora para a análise de algumas jogadas, é natural: “com o passar do tempo, a utilização e a compreensão do todo vai facilitar a revisão, e o tempo que era de um minuto vai cair pra 30 … aguardem, paciência, a revisão é pra fazer o melhor e realmente fazer justiça”.

No fechamento do treinamento, a CBF realizou uma atividade única: de um lado, os últimos 32 árbitros que participaram dos últimos dias de curso fizeram o papel dos jogadores; como árbitro e assistentes, foram escalados três jogadores do Guarani, Ricardinho Rondinelly e Diego Cardoso e na sala do VAR os ex-jogadores Oscar e Careca, além do técnico Milton Cruz.

Milton Cruz, Oscar e Careca participaram do jogo como árbitros de vídeo

O árbitro de vídeo contou com 8 câmeras, que é o número mínimo exigido em jogos oficiais. Em campo, os jogadores do Guarani não abriram mão de consultar o VAR nas dúvidas capitais, como lances de pênaltis e aplicações de cartões. Foi possível também notar que os juízes/jogadores deixaram a desejar na parte técnica, como já era esperado.

(da esquerda para a direita)Rondinelly, Diego Cardoso e Ricardinho participaram como trio de arbitragem no jogo que marcou o encerramento do curso da CBF

Ao final do jogo, a principal avaliação dos 3 atletas do Guarani foi da dificuldade em decidir sobre as jogadas em frações de segundos e reconheceram que o árbitro de vídeo facilita muito a tomada de decisão, mas também reconheceram que a falta de prática atrasa um pouco a continuação do jogo.

No árbitro de vídeo, Oscar, Careca e Milton Cruz também reconheceram dificuldades em lances interpretativos e que apenas a prática vai deixar a tecnologia fluir de maneira natural.

Todas as 38 rodadas do Brasileirão que começa há duas semanas terá a tecnologia do árbitro de vídeo.

Comente com seu Facebook