O dia 26 de abril é marcado pela comemoração da posição mais específica do futebol. Mesmo com a discussão sobre o papel do goleiro, principalmente sobre jogar com os pés, a posição é a que mais mantém responsabilidade mesmo diante de toda sua evolução após os anos 90.

O futebol campineiro é marcado pela passagem de grandes goleiros ao longo da história. Neneca, Tobias, Sérgio Neri, Jean, Marcos Garça, Emerson, Dimas, Narciso, Gleguer e outros grandes nomes vestiram a camisa do Bugre.

Já a Ponte Preta teve nomes como Carlos Ganso, Waldir Peres, Aranha, Sérgio Guedes, Wilson Quiqueto, Alexandre Negri, João Brigatti e Ivan Quaresma.

Os atuais goleiros da dupla são jogadores que buscam afirmação. Caíque França ganhou a titularidade na Macaca neste início de Série B após irregularidades participações de Ygor Vinhas, principal candidato para substituir Ivan – hoje na reserva do Corinthians.

Ex-jogador do Timão, onde passou mais de uma década entre base e profissional, França tenta agarrar essa chance para mostrar seu potencial e vem sendo elogiado. Na última partida, foi importante na reta final do jogo para garantir a vitória contra o CRB.

Mas quem batalha para crescer no Moisés Lucarelli é o ex-goleiro Lauro. Conhecido por grandes defesas e seus gols de cabeça, o profissional hoje se arrisca como preparador de goleiros e está em sua primeira experiência na carreira de professor.

Ele substitui Beto Guastali, conhecido como Betão, conhecido pelo bom trabalho de desenvolvimento de Ivan Quaresma. O momento de Caíque França, mais positivo em comparação ao antigo titular, colabora para Lauro passar o dia 26 de abril mais tranquilo.

No Guarani, o preparador Silvano Austrália também não é unanimidade. Desde os grandes revezamentos envolvendo Rafael Martins, Gabriel Mesquita e outros nomes da meta bugrina, os torcedores questionavam o trabalho do profissional.

Mas uma maior tranquilidade se instaurou com a presença de Maurício Kozlinski. Ex-Atlético Goianiense e Avaí, o titular do Bugre chegou a ter jogos abaixo da média esperada, mas fez intervenções importantes em partidas decisivas – como ocorreu no jogo contra o Corinthians.

A missão de Kozlinski não apenas para esse dia 26, mas também para a toda temporada, é finalmente ser constante na meta bugrina. Algo que não ocorre desde a saída de Bruno Brígido em 2018.

Comente com seu Facebook