O Conselho de Administração do Guarani optou pela saída de Ricardo Catalá após uma vitória em oito jogos disputados em 45 dias de trabalho. O sucessor de Thiago Carpini não rendeu o esperado e acabou sendo desligado após derrota no dérbi 197.

Homem forte do futebol, responsável pelas contratações recentes, Michel Alves acabou sendo criticado por torcedores e parte dos conselheiros, mas recebeu novo voto de confiança e foi mantido no cargo.

Ao lado do presidente Ricardo Moisés, o superintendente segue em busca do novo comandante para sequência da Série B. Há uma dificuldade em alinhar o perfil desejado (um técnico que chacoalhe o vestiário) que se encaixe no orçamento.

A reportagem apurou que dois dos nomes interessados já estão em novos clubes: Eduardo Barroca foi anunciado no Vitória enquanto Itamar Schurlle acertou com o Criciúma. Outros dois técnicos fogem do padrão financeiro neste momento: Alberto Valentim e Zé Ricardo.

O Bugre segue avaliando e debatendo nomes no Brinco de Ouro. A diretoria, entretanto, adotou a lei do silêncio desde a saída de Catalá e sua comissão. O torcedor não recebeu justificativas sobre a demissão do treinador nem mesmo explicações sobre o procedimento da busca por um novo comandante.