Erros de arbitragem interferem na campanha pontepretana na Série B

0

A arbitragem tem sido cruel com a Ponte Preta no Campeonato Brasileiro da Série B. O time, que só teve o primeiro pênalti marcado na competição na vigésima sexta rodada, poderia ter até 10 pontos a mais, se não fossem os erros dos juízes escalados para comandar os jogos da alvinegra campineira.

NA TELA DA BAND

Consideramos neste levantamento apenas os lances polêmicos capitais, ou seja, que interferiram em vitórias, derrotas ou empates do time.

Os problemas começaram na última rodada do primeiro turno, quando a Ponte vencia o Avaí por 2 a 1 até os 43 do segundo tempo. Junior Santos ergueu demais o pé na área alvinegra e o juiz, ao invés de marcar jogada perigosa dentro da área, assinalou pênalti. O empate com os catarinenses tirou 2 pontos da Ponte que estavam quase garantidos.

Na vigésima segunda rodada, o Londrina venceu a Ponte por um a zero com um gol de pênalti discutível: Dagoberto tentou um chute dentro da área; a bola toca no braço de Bruno Ramires a uma distância muito pequena. Um lance de interpretação e que tirou mais um ponto dos alvinegros na Série B.

O jogo seguinte, a 23ª rodada, foi o Dérbi. No final da partida, Ferreira aplicou um carrinho em André Luís e o árbitro mandou o jogo seguir. O próprio zagueiro do Guarani, na semana passada, reconheceu que fez o pênalti. Menos 2 pontos para a conta da Macaca.

Já com Marcelo Chamusca no comando, na 26ª rodada, a Ponte viu a arbitragem marcar o primeiro pênalti a seu favor no jogo contra o Sampaio Correa. Mas Danilo Barcelos mandou uma bomba no travessão. No entanto, na mesma partida, o juiz João Batista de Arruda interpretou como lance normal uma bola na mão do jogador do Sampaio Corrêa dentro da área. Um lance muito parecido com aquele protagonizado por Bruno Ramires na derrota para o Londrina. Mas, desta vez, a arbitragem interpretou de outra maneira. Difícil prever se o gol sairia em uma nova cobrança de pênalti, mas, no melhor dos cenários, Chamusca teria conseguido vencer e seriam 2 pontos a mais pra conta alvinegra.

Dois jogo depois, a Macaca foi ao estádio Olímpico enfrentar o Goiás. O time abriu 2 a zero de vantagem, mas levou o empate e o segundo gol do esmeraldino teve o atacante Thiago Luís em posição de impedimento. Os 3 pontos se transformaram em apenas 1.

Por fim, o último jogo comandado por Chamusca foi com derrota pontepretana: placar de um a zero para o Brasil, mas a arbitragem ficou devendo outro toque de mão a favor da Ponte que poderia ter deixado o Majestoso com pelo menos um ponto.

Difícil projetar que todos os pênaltis não marcados seriam convertidos, ou que a arbitragem teria uma boa vontade extrema de interpretar todos os lances a favor dos pontepretanos. Mas pela quantidade de lances polêmicos, é bem provável que o time poderia estar numa colocação bem melhor na Série B.

 

Comente com seu Facebook